GeralGossip

Jéssica das Neves diz que tinha medo que Joana bebesse no jantar e está farta “O copo vai entornar e eu vou à polícia“

A polémica continua, entre Joana Albuquerque e Jéssica das Neves, e a amiga especial de Savate reagiu em entrevista

Joana Albuquerque foi jantar com Pedro Alves ao restaurante onde Jéssica das Neves trabalha e fez vídeos e brincou.
Jéssica das Neves não gostou e fez algumas acusações à Beta, que depois respondeu assim. O Bruno Savate também reagiu aqui.

Ainda esta manhã, a novela não teve pausa e Jéssica voltou a mandar uns recados a Joana e deixou no seu twitter umas farpas, podes rever aqui. 


Jéssica das Neves, reagiu ao vídeo que foi publicado na conta de Pedro Alves no Instagram: “Eu acho que agora não é questão de fazer frente, mas acho que não tenho de me esconder mais, porque já chega. É uma miúda, tem 21 anos, portanto ela e as fãs dela têm de se acalmar…“, começa por explicar à Hiper FM.

A amiga especial do nortenho revelou pormenores da visita de Joana ao restaurante onde trabalha: “Ontem entraram uma turma de pessoas com a Joana no meio e o Pedro. Entraram, a Joana sempre a olhar, sempre a olhar. Eu falei com a minha chefe e disse ‘infelizmente, se calhar é melhor eu ir-me embora. Estou desconfortável, isto não vai correr bem, porque tinha medo que a Joana bebesse’“.

“Eu era para atender aquela mesa, não atendi a mesa, não olhei para ela, falei com a minha chefe e disse ‘se eu for filmada aqui, eu vou à polícia’. Porque não autorizo! Eu não estou num reality show, ela não está num reality show, ela não tem que me filmar“, acrescentou ainda.

Jéssica não gostou da idade de poder estar a ser gravada e contou: “Se ela queria falar comigo, poderia ter falado comigo. Chamava-me e eu ia. Ou ia ou não ia, o máximo que poderia levar como resposta seria um ‘não’. Eu sou uma pessoa educada, não venho das barracas…“.

“Fazer-me a mim de plano de fundo para fazer um videozinho, no meu local de trabalho, não lhe admito! E fiquei picada, fiquei mesmo picada! Acho que é uma pessoa que não é formada, não tem valores nenhuns. Se fosse numa praia ou numa discoteca, onde ela quisesse, já era horrível, já era de uma imaturidade…”


“Olhou várias vezes para mim, inclusive estava de costas para mim. Quando entrou, abriu os olhos e a boca, eu percebo porque era um choque. Eu também abri a boca porque estava de máscara, mas ela não estava. Já estou farta de a desculpar… Eu já não consigo desculpá-la, agora já não gosto dela. Porque eu já dei uma entrevista em que inclusive não falei mal dela, acabei por tentar dizer aquilo que ela me fazia, os ataques e os insultos que recebia e desculpá-la porque ela é uma miúda. Já chega, já estou cansada! Não é no meu local de trabalho que se faz uma coisa destas“,  acrescentou ainda em declarações à mesma rádio.

Jéssica não coloca de parte a possibilidade de apresentar queixa na polícia: “Eu abro as mensagens todas, abro todos os comentários, tiro print, eu gravo tudo. E no dia em que me apetecer eu vou à polícia… O copo vai entornar e eu vou à polícia. Eu não sou barraqueira, nunca vou bater na Joana porque eu não a conheço. Mas que acho que é uma pessoa mal formada? Acho. Ao dirigir-se ao meu trabalho, ultrapassa a idade dela. É mal formada, não tem noção“.

A nortenha fala ainda sobre o bullying : “Quer dizer, ela que na casa dela disse que era vítima de bullying por ser um bocadinho mais escurinha, ela é um branco mais escuro. E agora as fãs dela podem todas vir atacar-me e aí já não é bullying. Se calhar a Joana tem de estudar um bocadinho mais. E só é racismo quando é com ela, porque quando é com os outros já não“.


“Ela tem que entender isso. Não entende à primeira, não entende à segunda, se calhar vai entender de maneira mais grave. Nem que o meu pai gaste 1 milhão de euros, eu vou a tribunal com ela. Ou isto acaba ou eu vou… Eu não vou viver uma vida assim. Não faz sentido, isto é uma estupidez“.

Jéssica diz ainda: “Eu sou uma pessoa que tem uma grande estabilidade emocional. Sou muito dura comigo mesma, eu não choro por nada e isto revolta-me não é por ser comigo. Se fosse outra rapariga ou já se tinha suicidado ou já não saia de casa, ou já se tinha despedido outra vez, era um drama. Não se faz, é perseguição, isto é bullying“.

 

Leia também: Bruno Savate pagou a promessa e cortou o carrapito

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo