Gossip

Marido de ‘Pipoca’ tem bate boca com agente da policia «Incompetente e autoritário»

«Um agente de autoridade incompetente, autoritário e que acredita que a melhor forma de convencer um cidadão a acatar uma ordem»

O marido da ‘Pipoca Mais Doce’, Ricardo Martins Pereira, teve uma discussão com um agente da autoridade e contou tudo nas redes sociais.

Tudo terá acontecido este domingo, oito minutos depois das 13 horas, a hora estipulada para o recolher obrigatório.

Ricardo foi almoçar com o irmão antes do recolher obrigatório, e ainda deu um passeio com os cães antes de ir para casa.


Foi aqui que terá surgido um agente a dizer, «Já passa das 13 horas, os senhores têm de recolher imediatamente às vossas habitações. Estão em incumprimento com a lei».

“Este fim de semana senti na pele o que é ter pela frente um agente de autoridade incompetente, autoritário e que acredita que a melhor forma de convencer um cidadão a acatar uma ordem, mesmo que essa ordem não esteja de acordo com a lei, é através de ameaças e da imposição de um poder que só devia servir para lhe aumentar as responsabilidades.

Estive, como tanta gente, a almoçar no sábado até perto das 12h45 num restaurante. Estava com o meu irmão, e com os dois cães dele. Terminado o almoço, e antes de irmos confinar, resolvemos ir tratar logo do passeio dos cães, algo previsto na lei como exceção aceitável ao confinamento.

Passavam 8 minutos das 13 horas quando um carro da polícia passou por nós. Através de um altifalante, um dos agentes disse-nos, em tom agressivo e de ameaça:

— Já passa das 13 horas, os senhores têm de recolher imediatamente às vossas habitações. Estão em incumprimento com a lei.

Aproximei-me do carro, o agente abriu o vidro, e eu disse:

— Não. Estamos a passear os cães, algo previsto nas exceções à lei.

O agente exaltou-se. Alguém ousou contrariar uma ordem sua.

— Não ouviu o que lhe disse? Já passa das 13 horas, tem de recolher imediatamente à sua casa.
Voltei a insistir.

— Lamento, não estamos a incumprir em nada com o que está na lei. Está prevista uma exceção para o passeio de animais domésticos, e é isso que estamos a fazer. Quando terminarmos o passeio iremos para casa.

O PSP saiu do carro, cada vez mais exaltado.



— Não é isso que diz a lei! Os senhores por acaso moram aqui? O que a lei diz é que os passeios com os animais são na zona de residência. Onde é que os senhores moram? — disse, nervoso.

— Está enganado. A lei não fala em área da residência. Isso não está escrito em lado nenhum — respondi eu.

— Está a dizer-me que não sei o que diz a lei? — contestou ele.

— Se me diz que a lei fala em área de residência, então sim, estou a dizer que não sabe o que diz a lei. Mas se tem assim tanta a certeza, mostre-me a lei que fala em área de residência.

— Por acaso, não a tenho aqui. Mas olhe, o senhor está é a arriscar que lhe passe uma multa de 400 euros, e vai ver como é.

— Não. O senhor não tem qualquer fundamento para me passar uma multa de 400 euros, porque eu não estou a incumprir com nada do que diz a lei, por isso, mesmo que me queira multar, claro que irei contestar a multa.

O agente estava quase a espumar pela boca.



— Olhe, a sua sorte sabe qual é? É que eu quero ir almoçar. Já passa da uma e eu quero ir almoçar, não estou para me chatear. É a sua sorte. Vá passear à vontade, e pode ser que apanhe para aí COVID — terminou ele.

Meteu-se no carro e foi-se embora, fulo.

Moral: o agente da PSP não quis cumprir o que ele achava que era uma violação da lei porque tinha de ir almoçar e não estava para se chatear.

E eu continuei a passear os cães. Depois fui para casa confinar.”

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo